O Ponto Final

NÃO É O FIM. É UM NOVO COMEÇO

“E essas coisas que enchem a alma? E esse existir simples e tão completo? Confuso? Sim. Mas delicadamente delicioso.”

“Medos acompanham escolhas, mas escolhas, bem… escolhas mudam o mundo.”

“We all need ways to change our hearts, to make them resurge from the ashes.”

“Fora a distração causada por certas frivolidades, fora aqueles aparelhos emanando ondas, fora o estar fora de mim, tudo parece nada. Ser eu é algo complexamente complicado. Lidar com uma mente no ócio de sua essência e um sentimento obscuro é algo que não deve ser desejado até para seus piores inimigos.”

—   O Ponto Final

“É estranho atingir um sonho, principalmente um dos grandes. Até conseguir associar a ideia demora, mas a medida que você vai entendendo que aquilo é real, vem um sentimento de ‘e agora?’. E agora vou ter que achar outro sonho pra seguir? Dar outro sentido pra vida ou manter dessa forma? Uma quantidade enorme de dúvidas enfeitiçando a mente trazendo dúvidas do que fazer. É como uma despedida, mas, sei lá, parece pior.”

“Não é uma síncope, um devaneio, uma divagação. É a razão manifestando-se, mostrando a sequência obscura da mente. Incrível essa sequência de problemas, consequências de um nada. Nada? Sim, nada. E, quando notei, todos os problemas do mundo tinham convergido para mim. Inaceitável, mas inquestionável. E então, o que farás sobre isso? A mesma coisa que fiz antes, nada.”

“Pra ser sincero? É praticamente impossível conseguir interpretar o que o outro está sentindo. Por mais que você tenha passado por situações muito parecidas, pelo mesmo motivo, não, não é a mesma coisa. Cada um é cada um. Cada um traz consigo uma bagagem, uma junção disjunta de tudo que passou. É, sinceramente, estou em um de meus devaneios… escrevo sem nexo, lógica ou qualquer outra coisa que esteja conectada ao lado racional de meu ser. Estou escrevendo o coração, estou escrevendo mesmo sem saber o que estou escrevendo. Escrever é a melhor forma de fazer a alma ser alma. Flashes de razão vêm a minha mente, são nessas horas que o texto perde a sua caracterização e fica sem razão de ser escrito. É exoesqueleto encrustado no coração, onde está a muda? Saia, saia… quero ver essa exúvia longe de mim. Jogá-la fora. Quando alguém a encontrar saberá que dentro dela habitava um coração que cansou de só bater, que cansou de exercer a sua simples função. Coração, fuja! Fuja enquanto há tempo. Tu sabes que o mais difícil é começar, o resto é consequência. É, parece que a razão definitivamente voltou a funcionar. Este é o fim.”

“É, talvez seja melhor pro mundo eu me afastar…”

“Solidão até nos dias mais importantes…”

“Ausência desesperada,
ânsia cruel.”

“Falta de presença,
decepção adiantada.
Fazer tudo,
querer tudo,
receber nada.
Mover mares,
mas terminar em suas fossas.”

“É deveras ruim ter boa memória…”